13/11/2015


Natal, imagens e momentos que despertam sensações


















Por todos os cantos do Mundo surgem sinais que alertam para a chegada do Natal.
Dependendo do lugar, pode ser a neve, pode ser o calor, pode ser o vento norte e frio cortante, podem ser os vendavais ou podem ser, simplesmente, os enfeites e as iluminações coloridas...
No Algarve, a sul de Portugal, nas zonas mais sombrias, no princípio do mês de novembro começam a surgir tapetes, de musgo, fofos e verdes.
Logo, de imediato, assomam à ideia as lembranças de infância em que as prendas não eram tão importantes quanto isso porque o dinheiro era pouco. Dava-se importância a todas as vivências e preparativos para celebrar esta grande festa.
Crianças acompanhadas por professores ou por familiares mais velhos saiam por esses campos, apetrechados com cestos e espátulas finas em busca do musgo, mais verde e fofo, para colocar por baixo da árvore de Natal ou para embelezar o presépio.
Na escola, cada criança colocava uma figura sobre esse tapete macio.
Ainda hoje essa prática costuma acontecer mas já não é bem a mesma coisa. 
Existem presépios, prontos  a montar, de todos os materiais e dos mais variados preços. Não dão trabalho, não sujam a casa, não se perde tempo.
É esse tempo, que não se perde, que não se vive nem se partilha com os mais novos.
Gosto de recordar que tive e ainda posso ter esse prazer.
Deixo-vos o alerta.
Atrevam-se a passear pelo campo, nestes tempos, e, sintam essa beleza, gratuita.



10/11/2015


Algarve, amendoeiras em flor.
















Novembro.
Amendoeiras despidas de folhas.
Surgem as primeiras flores.
Inicia-se um novo ciclo.
Dentro de pouco tempo, os campos ficarão cobertos de branco, parecendo neve.

A neve que, em tempos de reis, terá enganado uma princesa.

Mais tarde serão amendoas verdes, e, quando o calor regressar serão castanhas, de casca dura.




Lenda das amendoeiras em flor


Reza a lenda que, há muitos séculos, reinava em Chelb, a futura cidade de Silves, o rei Ibne-Almundim, que se casou com Gilda, uma linda princesa do Norte, que, ficou muito doente com saudades da neve do seu país de temperaturas geladas.

O rei, com pena de ver a princesa tão doente, mandou plantar por todo o seu reino, muitas amendoeiras, pois sabia que quando o frio chegasse os campos ficariam brancos com as flores dessas árvores. 
No início do outono seguinte, com o aparecimento dos primeiros frios, o rei levou Gilda à janela do seu quarto, no castelo.
Ao ver as flores brancas das amendoeiras, a princesa ficou maravilhada com tão rara beleza, esqueceu as saudades que sentia e acabou por curar-se.






09/11/2015





Veja sempre mais além.





























Quando lhe pedirem para fazer alguma coisa, resolver alguma situação complicada, não esgote tudo o que tem para dar.
Dê aquilo que pode para que as coisas fiquem bem.
Deixe sempre uma reserva.
Não se esgote.
Se for dando, sempre, tudo o que tem para dar, um dia, vão querer que dê ou faça sempre mais e melhor, vão querer que transponha a barreira do impossível.
E, no dia em que descobrirem que não consegue dar mais nem fazer melhor, esquecem, de imediato, tudo aquilo possível que você já fez.
Olhe à sua volta e descubra, por si, quem são as pessoas a quem não são dadas grandes responsabilidades...
Não queira ser herói.
Nem todos morreram felizes.
Veja sempre mais além.
Não foque o seu olhar no que se encontra em primeiro plano...